Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Ministério atualizará funções de administrador na Classificação Brasileira de Ocupações
Banner Ministério da Economia
Início do conteúdo da página
LEGISLAÇÃO

Ministério atualizará funções de administrador na Classificação Brasileira de Ocupações

Ministro Ronaldo Nogueira se reuniu com diretores do Conselho Federal de Administração, que pede a atualização das atividades dos profissionais de administração na Classificação Brasileira de Ocupações

  • Publicado: Quinta, 06 de Julho de 2017, 09h25
  • Última atualização em Quinta, 06 de Julho de 2017, 10h26
  • Acessos: 5608

 

O Ministério do Trabalho deve concluir até o fim deste ano um estudo técnico para atualizar as atividades dos profissionais de administração na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO). A medida atende a um pedido feito pelo Conselho Federal de Administração (CFA), durante reunião com o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, nesta quarta-feira (5), na sede do Ministério, em Brasília. “Precisamos criar condições e uma legislação específica, por meio da CBO, que possibilite o reconhecimento da importância do profissional administrador em todos os setores das administrações pública e privada”, afirmou o ministro.

Ronaldo Nogueira citou exemplos da importância da profissão. “Se tivéssemos uma atuação mais efetiva de administradores na gestão pública, não teríamos tantas obras inacabadas. Uma obra inacabada é um prejuízo ao erário, porque há um custo com a execução do projeto, com desapropriação, licenciamento, execução de primeira fase, e acabam sendo milhões de reais investidos em obras não concluídas”, salientou.

Um estudo preliminar, feito por técnicos do Ministério e do Conselho, aponta funções que podem ser listadas na CBO para atualizar as ações dos administradores. São funções previstas na Lei 4.769, que dispõe sobre o exercício da profissão de administrador, mas que muitas vezes são exercidas por profissionais de outras categorias.

Recursos Humanos - O Conselho aponta, entre outros casos, a administração hospitalar, as obras da construção e os setores de Recursos Humanos nas empresas. “A área de RH é uma das que mais preocupam, entre outras em que profissionais estão atuando como administradores sem ter a formação específica para isso. É preciso atualizar as atividades para que esses profissionais tenham a formação específica e suficiente para atuar nessas funções”, disse o diretor de Desenvolvimento Institucional do CFA, Rogério Ramos.

O ministro determinou que a equipe técnica da Secretaria de Políticas Públicas de Emprego (SPPE) realize os estudos, em articulação permanente com o CFA, para viabilizar e adequar a proposta do Conselho à legislação.

Segundo Ronaldo Nogueira, a medida terá impactos positivos para o país. “Antes da resposta para o CFA precisamos dar uma resposta ao Brasil, porque será bom para o país, será bom para o setor produtivo, que possamos ter uma eficiência muito maior na utilização dos recursos”, afirmou o ministro, que é formado em administração. “Os recursos são escassos e as demandas, constantes. É necessário um planejamento adequado, e o administrador é formado para esse fim.”

 

Ministério do Trabalho
Assessoria de Imprensa
Daniel Hirschmann
imprensa@mte.gov.br
(61) 2021-5449

Supervisão ASCOM
Jorn. Eliana Camejo
eliana.camejo@mte.gov.br
(61) 99213.1667

registrado em:
Fim do conteúdo da página